<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5329291\x26blogName\x3dNo+Surprises\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://nosurprise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://nosurprise.blogspot.com/\x26vt\x3d-7886794234534277740', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>


domingo, dezembro 28, 2003
(continuação)

Ela não se lembrava direito do que lhe acontecera.
Se lembrava que a pipa havia caído no teto se sua casa e ela subiu para pegá-la.
Mas quando estava na laje, caiu.
Ela queria realmente lembrar o que acontecera, mas o calor de sua raiva a invadia como fogo em uma floresta.
Falando nisso, ela sentiu um cheiro de queimado.
Viu que sua calça pegava fogo.
Havia uma chama dentro deste lugar.
Depois de apagar a chama de sua calça, ela olhou bem para aquele lugar.
Parecia familiar.
Todo o lugar era de ferro, com uma pequena janelinha para algum outro lugar.
Agora sim ela sabia onde estava.

(continua...)
Ela estava escutando.
Toda aquela conversa sobre ela a dava medo.
Medo do que tudo aquilo fosse verdade.
A dor e a tristeza creciam dentro dela como uma grande árvore de ódio e rancor.
Todas aquelas pessoas festejando enquanto falavam sobre seu sumiço.
Ela desaparecera havia dois dias.
Estava com fome e desidratada.
Bem, pelo menos frio não sentia.
Havia dois dias desde a queda.

(continua...)
"Here I'm allowed,
Everything all of the time..."
sábado, dezembro 27, 2003
Para fazer feliz as crianças, coloquei o template do Papai Noel.
Muito bom, não?
Pessoal, o fim de ano foi podrão.
Uma das únicas coisas que se salvam é o fato de ter ganhado um discman que toca cds de mp3.
Ainda tem controle remoto.
Fodão.



E também foi legal relembrar como era o gosto de Chester.
Encher o saco do meu pai por ele roubar uma porrada de amendoins foi foda.

E foi só.
sexta-feira, dezembro 26, 2003
quinta-feira, dezembro 25, 2003
<estorinha>

-Sabe o que eu acho que vai acontecer?Nós vamos rolar e rolar por aí.
-É nosso destino.Nosso fado.Nossa sina.
-Eu não quero ficar sozinho.Por favor, quando formos andar, não se afaste de mim.Eu sei que nossas diferenças físicas e psicológicas provocam entre nós um gigantesco abismo, mas sei que podemos conviver juntos.E você há de concordar que é difícil achar um de nós por aí.
-Isso é verdade.Mas eu sou pequena, mudo fácil de direção.Não sou como você, grande.Me desfaço fácil.Não espere minha companhia por muito tempo.
-Tá.Tenho certeza que vai ser intenso enquanto durar.
-É.Mas vamos.Temos todo esse deserto para atravessar!
-Espere, minha bolinha de feno linda! Espere por mim!

</estorinha>
terça-feira, dezembro 23, 2003
Ae Máriô!

Máááááário!


Grande figura!
Eu sempre fui criança até esse ano.
Acho que esse ano eu caí na realidade.
Consegui coragem para sair da PJE, conheci pessoas maravilhosas.
Principalmente três.
A conhecida Luciana, o meu queridíssimo amigo Álvaro e o professor mais gente boa de matemática Mário.
Três figuras que revolucionaram meu jeito de pensar.
Principalmente o terceiro.

Acho que esse ano foi o primeiro ano verdadeiro em toda minha existência.
Virei "ateu" e fiquei deprimido com o mundo a minha volta.
Percebi que eu não sou nada mais que um "fruto impuro da escória humana".
Ou o que quer que isso signifique para você.

Esse ano foi o ano mais significativo.
Mas mesmo assim esse ano foi horrível.
Como todos os outros sempre.
Me comportei como "o cara mais instável".
O bobão da 802.
O cara engraçado e tímido, alegre e profundo.
Sabe, nunca consigo deixar para trás minha máscara.
Não gosto dela, é verdade, mas foi nesse ano que senti que podia controlá-la.
As pessoas que me conheceram a pouco tempo viram um lado mais certo de mim.
Mesmo assim a máscara continua.

Foi nesse ano que descobri mais sobre mim.
Que eu não gosto de filmes bobões de Natal.
Que não gosto de pessoas convencidas.
Pessoas que acham que são realmente alguém.

Foi esse ano que vi o quanto sou instável.
Que, mesmo não acontecendo nada, ao ouvir uma música, chorava.
Que nos momentos mais certos para mostrar minha raiva, minha compaixão me esfriava a cabeça.
Que nos lugares mais errados, fazia as coisas certas.
Que quando queria saber, só me vinha preguiça.
Que mesmo nos momentos em que queria abaixar a cabeça, vinha o senso de humor.

E que sou mais um na multidão.

"Open up, begin again
Let's go down the waterfall.
Think abaout the good times
and never look back,
never look back..."


(isso foi um post de crise, mesmo assim com auto crítica)
"C'mon, c'mon,
you think you drive me crazy?
C'mon, c'mon,
you and whose army?"
domingo, dezembro 21, 2003
Rá!®
A primeiro estória do "O pouco que sobrou" já está postada.
Graças à eficiência dos meus queridos amigos Álvaro e Luciana, batemos recorde em velocidade.
A não ser pelo Álvaro, que criou uma estórinha maluca e sem sentido no meio e teve que apagar.
Mas não faz mal.

Eu tenho é que fazer uma pra cá.
Tô postando aqui muito pouco.
sábado, dezembro 20, 2003
"22:00
Hora de dormir.Ah, vou ver um filme na tv.
23:00
Ainda não acabou o filme.Vou botar mais tempo no timer.
00:00
Acabou o filme.Vou ver o que tá passando na Globo.
01:00
Ah, daqui a pouco tem o jô.E eu só preciso acordar as dez mesmo.
02:00
O jô tá ótimo.
03:00
Ah, o filme do inter cine tá maneiro.
04:00
Tenho que dormir.
05:00
Tv desligada, insônia ligada.
06:00
Nossa!Mas já são seis da manhã?
07:00
O dia tá clareando.Melhor dormir.
07:30
Finalmente durmo.
10:00
Acordo já com batidão de funk na cabeça.

E acaba que eu não dormi nada."
O melhor cd de todos os tempos (depois do OK Computer).

Tava travando o internet explorer aqui, mas era o Amnesiac, do Radiohead.E blé pra quem não gostou.


Melhor compra que já fiz.
Pelo menos nos últimos tempos.
Bem, então tá.
Psáiaiai pra vocês.

sexta-feira, dezembro 19, 2003
É verdade que a Lú foi pro espaço?
Bah.
Deixa ela.

E também é verdade que pegaram o Sadam?
Tentando postar......................pronto?
domingo, dezembro 14, 2003
Nossa.
Vou ver se o escritor tem alguma ligação com a minha família.
Piadas sem graça é com a gente.
Olhem isso.



Sem comentários.
Formatura?
Bem, a formatura foi ótema.
Primeiro a solenidade.
Saco.Mais de uma hora e meia ouvindo o Robério resmungar os nomes.
Começa a dor na coluna.
Depois saímos e fomos lanchar no Subs.
Saco.Comi batata frita esquentada e amanhecida.
No meio do caminho, lá se vão Carlos e Diego para a choperia.
Depois?
Depois a festa.
Esta sim foi maneirinha.
Mas não passou disso.
Músicas toscas e hip-hops pra tudo quanto era lado.
E alguns aqui sabem o quanto eu adoro hip-hop.
Dancei pra não fazer desfeita.
A música falhou duas vezes, repetiu umas 10, com direito a repeteco de Tô nem aí.
Acabou cedo(às quatro da manhã).
Bem, também a parte boa foi simplesmente foda.
Os Brunos cantando e dançando.
Cucuia dançando como nunca.
O queridíssimo e amado Tio Peruca de Sidnei Magal, com direito a dança e tudo.*
Carlos e Diego bêbados, pra variar e aquelas luzes, que sempre vinham no meu olho.
Saí de lá com câimbra nas duas coxas, dor de cabeça, na coluna e no braço, graças à cutuva de Carlos e fedendo igual um porco.
Mas valeu à pena.
Só o Peruca dançando já dava para pagar as desgraças.

*=Ele não dançava nem se vestia porque queria parecer o Magal, e sim porque não sabia nem se vestir nem dançar.

Já que o bravehost é uma bosta, tenho que colocar em link.E por favor coloquem em Salvar destino como.
O que sobrou da pulseira de convite.
quinta-feira, dezembro 11, 2003
Pessoal, estou montando um blog junto com meu caríssimo amigo Álvaro*, do antigo Repolho Raevoltado.
Vai lá.
http://opouco.blogspot.com

*=A Também quis se intrometer, então ela se juntou a nós.
sexta-feira, dezembro 05, 2003
<historinha>
Acho que de vez em quando, pedimos um desafio.
E esse foi o desafio dele.
Ele tinha de fazê-lo, ou então ia ficar desempregado.
Então, em um movimento circular, rápido e calculado, ele começou.
Não se sentia bem naquele dia, mas ele esperava por esse dia há meses.
Então, não parou, não olhou para trás.
Se conteve nos movimentos circulares, rápidos, calculados e repetitivos.
Se concentrou, diminuindo a probabilidade de erro.
Mas, então, a probabilidade mostrou suas garras e o agarrou em cheio.
Ele errou.
E, além de errar, ainda levou um capote bonito.
Esbravejou, gritando e xingando.
Protestou com o avaliador de provas.
Nada, realmente nada poderia tirar ele dessa situação.
-Mas era só para pular corda, porra! Para que eu precisarei disso na polícia? - disse o homem - Que merda!

</historinha>
Uhu!
É recorde!

Zerei Myst em 3 horas e 40 minutos!

...

Bah.
http://sacosemfundo.blogspot.com

...

Sem comentários.
Só que minhas fotos ficaram horrorosas.
Principalmente depois do montinho que eu levei.
quarta-feira, dezembro 03, 2003
"-...You steal men's souls, and make them your slaves!
-Perhaps the same can be said of all religions..."


Richter Belmont para Dracula em Castelvania.
segunda-feira, dezembro 01, 2003
Férias, férias.
Eu me lembro muito bem de quando falei de férias no ano passado, ainda no meu outro blog.
"Todos irão falar sobre férias, então não irei falar sobre férias..."
Dã.
Essstúpido.
Agora sim, deve saber escrever melhor.
E agora sim poderás falar sobre férias.

Férias.A melhor e pior coisa que existe nas nossas vidas (bem, pelo menos na minha).
Todos vivem em função disso.Todas as vidas giram ao redor disso.
Por quê?
Pois todos odeiam trabalhar, estudar, ou o que quer que façam para viver.
Como já disse certa vez Bertrand Russell : "O trabalho não é o principal objetivo da vida.Se fosse, as pessoas gostariam de trabalhar."
Então o que resta?
Sim, férias.
Por que seriam ruins?
Saudade?
Depende.Amigos de trabalho, de colégio, de faculdade, noites fora para tomar alguma coisa depois do trabalho.
Sim, isso faz falta.
Bem, pelo menos para mim.

Quando saí do curso do SENAI, senti falta do cansaço, de pegar o ônibus de noite, de ficar enchendo o saco do professor.
De estar fazendo o que realmente eu queria.
Ficar cansado era o que eu queria.
Ficar à noite na rua era o que eu queria.
Sentir o vento frio era o que eu queria.
Sentir a vida em minhas mãos era o que eu queria.
Sentir o frio da noite era o que eu queria.
Sentir era o que eu queria.

E é isso que sempre vou querer.
Sentir.
Afinal, de que é feita a vida mesmo?